sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Para que serve um worshop de escrita? (umas notas)

Chegados - alunos e professores - a esta altura é natural que a pergunta surja nas nossas mentes (sem qualquer tipo de ironia Ferreiraleitiana). Com a minha experiência de formador já cheguei a algumas singelas conclusões. E nada me tira da cabeça a ideia de que vale de facto a pena fazer um curso de escrita - e, já agora, dar um curso de escrita. Porquê? Porque se o curso cumprir (minimamente) o seu objectivo a coisa já está ganha. E qual é esse objectivo? Distender a escrita. É esse, para mim, o principal objectivo de um curso de escrita criativa. Ginasticar a pena, dar ao dedo, arriscar parágrafos, ideias, falhanços, delírios, etc, etc. Penso que o principal problema de quem sai de um curso destes com frustração está na ideia-feita que concebeu nos territórios da imaginação e do desejo. Ninguém sai escritor de um curso de escrita - verdade simples, mas, apesar de tudo, demasiadas vezes esquecida. Sai-se com maior músculo na escrita, com maior fôlego, o que é algo completamente diferente. Aprendem-se alguns "truques" (volto a utilizar a palavra, sem receio da contingência do termo), alguns tópicos, algumas pistas. Aprende-se também a evitar atalhos escusados - no fundo, truques ao contrário. Este, confesso, foi dos cursos que mais "prazer docente" (não, não é um título de uma película porno com ambiente escolar) me deu. O facto de ser alargado no tempo permite-nos perceber-vos melhor, topar as vossas "vozes" (como sabem, o objectivo maior de qualquer escritor é encontrar uma voz própria), as vossas hesitações e conquistas. Também ajuda a perceber aquilo em que cada um é melhor - o que é bom, porque ajuda a situar os escribas. A experiência humana também se torna mais rica - porque mais quotidiana, menos artificial. Já nos vimos de formas diferentes - alegres, cansados, engripados, eufóricos, com sentido de humor e até com alguma melancolia. Isso é, para citar o Zé, "porreiro, pá". Queria dizer que a minha caixa de mail estará sempre aberta para os vossos textos, para as vossas inquietudes verbais. Procurarei sempre fazer algum comentário, uma nota que seja. Contribuir para que o vosso trabalho tenha feedback (sei o quanto isso é importante). E, prontos, a noite vai longa, a escrita também. Vemo-nos daqui a nada nesta espécie de versão pós-moderna e intelectual do Rally Paper. Até já.

3 comentários:

Andreia AM disse...

E eu que tenho algo de bruxa e resolvi dar aqui um saltinho assim como quem não quer a coisa (coisa que raramente faço em casa) e pam, este belo texto. Vou dormir mais aconchegada agora. Muito obrigada. Nuno, 'tá dito 'tá dito não te admires se te continuar a escrever muito depois de dia 29 (não consegui escrever "ter acabado") e a "exigir" o feedback prometido. Gostei muito deste "bocadinho"´(10 manhãs) aprendi muito e vou sentir mesmo muitas saudades, mas atenção, não me encontro lamuriosa mas antes muito feliz por isto (me) ter acontecido. Obrigada a ti e ao Luís. As dúvidas existenciais que me surgiram durante o curso, as angústias, puseram-me à prova e deixaram-me mais fortalecida, embora na altura me parecesse que o (meu) mundo ia acabar. Não tenho mais palavras para vos transmitir o quanto gostei de aqui andar (suficiente fraquinho bem sei, isto de me faltarem as palavras). Um (melhor 2) grandes beijinhos e tudo de bom para vocês. Não, não me estou a despedir, amanhã ainda vou e picanha? Com certeza! (Ou concerteza? Tenho esta grande dúvida...)

(P.S.Apesar do sorriso, ainda assim é um aperto... Assim como uma mão a estrafegar-me o músculo vital sabem?)

Então sendo assim vou-me deitar que já se faz tarde e amanhã depois ando a guiar toda ceguinha.

MóniKa disse...

Valeu a pena (já soa a despedida).
Mónica

M. disse...

Bemmmmm,uma mensagem do Nuno no blog!
O fim realmente está próximo. Já não restam dúvidas.
Aproveito hoje para dizer no blog, aquilo que já disse a alguns colegas no sábado.
Durante estas semanas tive sempre a sensação que não estava propriamente aprender os tais "truques" para melhorar a minha escrita, e foi só ao escrever o perfil (da para mim inesquecível Catarina) que me apercebi das enormes diferenças da minha escrita, e senão no texto propriamente dito (se bem que acho que tambem se nota), pelo menos na forma de o estruturar mentalmente.
Frases curtas e directas ao assunto. Evitar o mais possivel os arremedos literários desnecessários. Evitar o uso excessivo de ... e !!!!!!
Less is more, etc, etc.
Muito obrigada por estas manhãs de sábado.
Vou mesmo ter muitas saudades.
E já agora uma palavra para a "turma". Olhem que já fiz muitas formações, assisti a seminários e workshops e nunca tinha "apanhado" um conjunto de pessoas tão interessantes e interessadas, reunidas no mesmo espaço. Isso tambem foi um incentivo optimo para crescer um bocadinho (pequenino) como escritora.
Oh pá, eu não quero que isto acabe! Bora lá fazer mais umas sessões. Eu levo os bolos ... e os cafés ... e os chás (e os formadores a desmaiarem com o excesso das pontuações, hihihi)